Uma sementinha

Sementinha, árvore não é

Até ser ou não ser

Haverá de morrer no solo

No colo de onde tirará o sustento

E alimento que a fará crescer.

Sua morte aparente

deixada no escuro da terra

Encerra seu tempo de grão…

Tempo de escuridão…

Não chore, semente

Em tronco e galhos esverdearão

tuas folhas e frutos sonhados

Porém, plantados  primeiramente.

Eras só um grão!

E não lembrarás que foras semente!

Produzirás uma flor,

Que em fruto se tornará,

E outras sementes carregará!

by Ester Nehring

empolgante

Empolgante

O que empolga a alguém, não atrai o outro alguém. O seu tempo de brilho é diferente do deslumbre do outro.

Construir algo que faça, de uma forma atrativa, com que diversas pessoas sintam-se atraídas concomitantemente para fazerem parte, é uma longa trajetória a ser percorrida.

Viver é uma luta de estratégias e, encontrar o sentido para a rotina é uma delas.

Não é sobre fazer algo que abra o interesse de alguns e nem tampouco tornar-se alguém para ser um ícone ou referência. É o simples fato da necessidade de compartilhar, fazer parte, lutar e acreditar junto com “alguéns”  além de si mesmo, com mais pessoas dispostas a pensarem uma ideia única.

O que atrai? Quando se desenvolve algo, o que se faz para ajuntar mais pessoas? 

Acabei descobrindo que o interesse sempre será coletivo quando se trata de comida…

Ou seja, se o trabalho é seu, faça-o e junte-se aos amigos para comerem juntos e falarem sobre qualquer outra coisa, menos daquele trabalho que está sendo desenvolvido em sua mente e que não é uma encomenda de uma empresa e muito menos, o desenvolvimento da sua função profissional. Dividir o tempo com os outros é fundamental, mas isto não quer dizer que acontecerá uma divisão de objetivos de vida…